Avaliação Neuropsicológica

A Neuropsicologia é uma especialidade da Psicologia (Resolução CFP Nº 002/2004), que se preocupa com a complexa organização cerebral e suas relações com o comportamento e a cognição, tanto em quadros de doença como no desenvolvimento normal, e é definida como a ciência aplicada que estuda a expressão comportamental das disfunções cerebrais, segundo Malloy-Diniz (2010).

O que o Neuropsicólogo faz: O neuropsicólogo tem por objetivo principal correlacionar as alterações observadas no comportamento do paciente com as possíveis áreas cerebrais envolvidas, realizando um trabalho de investigação clínica que utiliza testes e exercícios neuropsicológicos. (Malloy-Diniz, 2010).

A avaliação neuropsicológica é uma estratégia investigativa destinada a identificar, obter e proporcionar dados e informações sobre o funcionamento mental dos sujeitos. O Neuropsicólogo ao fazer uso de instrumentos (testes, baterias, escalas) padronizados para avaliação das funções cognitivas, irá pesquisar o desempenho de habilidades como atenção, percepção, linguagem, raciocínio, abstração, memória, aprendizagem, habilidades acadêmicas, processamento da informação, visuoconstrução, afeto, funções motoras e executivas do paciente.

A partir desta avaliação Neuropsicológica é possível estabelecer tipos de intervenção, de reabilitação particular e específica de pacientes com disfunções adquiridas ou não, genéticas ou não, primariamente Neurológicas ou secundariamente a outros distúrbios (Psiquiátricos), por meio de encaminhamento a profissionais especialistas como psicólogos, psicopedagogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas e afins.

Quando solicitar Avaliação Neuropsicológica:
• Auxílio diagnóstico: normalmente é o Neurologista quem encaminha pois, busca saber qual é o problema do paciente e como ele se apresenta em termos neuropsíquicos. Isso implica que seja feito um diagnóstico diferencial entre quadros que têm manifestações muito semelhantes ou passíveis de serem confundidas.
• Prognóstico: com o diagnóstico feito, deseja-se estabelecer o curso da evolução e o impacto que a desordem terá à longo prazo. Este tipo de previsão tem a ver com a própria patologia ou condição de base da doença ou transtorno (quando há lesão, com o lugar, o tamanho e lado no qual se encontra e, nesse caso, devem ser considerados os efeitos à distância que elas provocam).
• Orientação para o tratamento: ao estabelecer a relação entre o comportamento e a patologia, a avaliação neuropsicológica não só delimita áreas de disfunção, mas também estabelece as hierarquias e a dinâmica das desordens em estudo. Tal delineamento pode contribuir para a escolha ou para mudanças nos tratamentos medicamentosos (o médico neurologista que o faz) ou outros.
• Auxílio para planejamento da reabilitação: a avaliação neuropsicológica estabelece quais são as forças e as fraquezas cognitivas, provendo assim uma espécie de mapa para orientar quais funções devem ser reforçadas ou substituídas por outras.
• Perícia: auxiliar a tomada de decisão que os profissionais da área do direito precisam fazer em uma determinada questão legal.