Serviços na área da Psicologia Jurídica: Perícia Psicológica e/ou Assistente Técnica nas Varas Cível, Criminal e Trabalhista.

A Psicologia Jurídica busca colaborar para que as pessoas tenham garantidos os seus direitos em questões que estejam envoltas com o mundo jurídico. Com o uso de seus métodos e técnicas científicas auxilia os demais profissionais do mundo do Direito (magistrados, advogados, promotores, defensores) para que a justiça seja feita.

As subdivisões da Psicologia Jurídica são:

• Psicologia Jurídica e as questões da Infância e Juventude;
• No Direito de família, o psicólogo pode intervir nos casos de separação, disputa de guarda dos filhos, na regulamentação de visitas como também da destituição do pátrio poder, acompanhamento de visitas, perícia, atuação do assistente técnico;
• No Direito Civil, o psicólogo atua nos casos de interdição, indenizações ou qualquer outra ocorrência cíveis;
• Na área da Justiça Trabalhista, no caso de algum acidente de trabalho;
• No contexto Direito Penal, o psicólogo opera em alguns procedimentos que estão em fase processual;
• Psicologia Judicial ou do testemunho, Jurado, em que o trabalho psicológico está voltado para o estudo dos testemunhos;
• Psicologia penitenciária, o trabalho nessa área está ligado à execução das penas restritivas de liberdade;
• Psicologia Policial e das Forças Armadas, o psicólogo faz um trabalho de seleção e formação dos profissionais dessa área;
• Vitimologia, nesse caso o psicólogo opera no atendimento a vítima;
• Mediação, o psicólogo atua de forma imparcial, apenas conduz, as partes que são responsáveis pela solução do conflito.****

Dentre as atividades acima citadas, o Espaço Lapidar executa a prestação de serviços de Perícia Psicológica e/ou de Assistente Técnica.

Para entender um pouco desses serviços:

O que é Perícia Psicológica: é um exame científico, desenvolvido pelo profissional graduado em psicologia, fundamentado com o uso de métodos e técnicas reconhecidos pela Psicologia, por meio da efetivação de investigações, análises e conclusões sobre os fatos e pessoas, apontando uma possível correlação de causa e efeito, além de identificar a motivação e as alterações psicológicas dos agentes envolvidos no processo judicial.

Quem o Psicólogo Perito? É o nomeado pelo juiz em virtude de sua capacidade técnica no assunto a fim de auxiliá-lo no decorrer do processo judicial,(CPC. Art. 421). Exerce suas atividades respondendo de forma independente aos quesitos (perguntas) sobre determinada lide disputada no âmbito do mundo do Direito. Segundo a Resolução CFP nº 008/2010, artigo 3º, de acordo com a especificidade de cada situação o trabalho pericial poderá contemplar observações, entrevistas, visitas domiciliares e institucionais, aplicação de testes psicológicos, utilização de recursos lúdicos e outros instrumentos, métodos e técnicas reconhecidas pelo Conselho Federal de Psicologia.

E o Psicólogo Assistente Técnico? É o Perito Parcial, ou seja, é de confiança das partes em litígio e que deve ser escolhido após 15 dias da nomeação do psicólogo perito e apresentar quesitos. Auxilia a parte em termos psicológicos junto ao processo, orienta o advogado sobre temas ligados entre Psicologia e Direito, avaliação da parte podendo fazer também uso de métodos e técnicas reconhecidas pelo Conselho Federal de Psicologia, faz reuniões com o perito, entre outras ações.
O psicólogo assistente técnico gera comentários (divergências e concordâncias) sobre os procedimentos e achados do perito e elabora um documento denominado parecer crítico. Não deve ser gerado outro laudo, mas uma crítica ao laudo oficial do perito.

Para mais informações, entre em contato conosco, pois teremos o prazer em atendê-lo e auxiliá-lo em sua real necessidade.

****Fonte: https://psicologado.com/atuacao/psicologia-juridica/a-atuacao-do-psicologo-juridico-no-sistema-prisional